New Eden Project – DevLog 02

Inspiração e Projeção – Mecânicas – Parte 1

Sejam bem vindos ao segundo capítulo do DevLog de New Eden Project! Hoje, um gato inspirado e pirado feito de batata, eu, o Gato Batata, vem falar sobre as mecânicas de New Eden e ensinar vocês, bem sucintamente, como jogá-lo.

Se você ainda não leu nosso primeiro capítulo, no qual falamos sobre o tema e o início de tudo, volte duas casas e leia aqui. Caso já tenha lido, vamos seguir em frente porque temos muito o que conversar!

No capítulo anterior, já mencionei aqui os primeiros jogos que inspiraram o surgimento de New Eden Project. O primeiro foi “Coloretto”, com seu set collection simples e acessível a qualquer público. O segundo foi “Fanfare Viking”, com suas cartas se conectando através de ícones de meio-círculo.

Desses dois, um deles foi praticamente esquecido conforme nosso jogo foi criando vida. Atualmente, New Eden Project conta com uma mecânica de set collection, mas muito distante daquela encontrada no jogo dos camaleões. O outro continuou servindo como maior inspiração para nosso jogo, e o foco de New Eden está, justamente, nas conexões das cartas. Não somente através de ícones de meio-círculo, mas sim de meio-quadrado, meio-triângulo e outras formas geométricas!

E como eu já disse algumas vezes, nosso jogo passou por vários processos de reestruturação até ser o que é.

Basicamente, ele possui 3 etapas envolvidas. A compra das cartas, a colocação destas e a pontuação final. O que mais nos preocupou, desde o princípio, foi a forma de pontuar e, embora tenhamos pesquisado bastante, tínhamos várias ideias e nada parecia se encaixar como queríamos.

Hoje vamos falar aqui sobre as 2 primeiras mecânicas, a de compra e a de colocação de cartas. A “novela” que foi descobrir como pontuar ficará para o próximo capítulo, que dedicaremos totalmente a isso.

 

Para explicar melhor o jogo, preciso apresentar a vocês as cartas de “Pedaço de Cidade”. Essas são as cartas centrais do jogo, que precisam ser conectadas para formar o projeto do Novo Éden de cada jogador. Portanto, aquilo que criamos primeiro e tentamos usar como alicerce para o restante dos componentes e regras.

carta de cidade.png

Uma carta de Parte de Cidade possui alguns atributos:

  • 1 Estilo Arquitetônico e 1 Tipo de Local:

Apesar de aparecerem em um mesmo ícone, aqui temos 2 informações diferentes. Existem 5 Estilos Arquitetônicos e 6 Tipos de Local no jogo – sem contar com os Curingas-, e cada carta deve possuir 1 de cada.

O Estilo é representado pela cor (azul, em nosso exemplo) e pelo ícone interno (aquela forma branca); já o Local é representado pela forma geométrica, também utilizada no ícone de conexão, que vou falar mais pra frente.

Cartas são conectadas com outras de mesmo Estilo Arquitetônico e/ou Tipo de Local, portanto é preciso prestar muita atenção nisso!


  • 1 Instalação Subterrânea

Existem 5 tipos de Instalações Subterrâneas. Elas fazem parte da pontuação por set collection ao final do jogo. Vamos falar mais delas nos próximos capítulos, ok?


  • Pontuação Potencial

Cartas de Pedaço de Cidade valem somente 1 ponto (exceto Curingas, que possuem pontuação própria), ao menos que sejam ativadas. A Pontuação Potencial indica quantos pontos essa carta poderá te dar ao fim do jogo se você conseguir ativá-la em sua cidade. Veja que abaixo da pontuação existem 3 estrelinhas: elas indicam como ativar a carta! Mas só vou explicar isso no próximo devlog.

As pontuações vão de 2 a 15 e estão totalmente relacionadas à quantidade de conexões – calma, estamos quase chegando nelas.

Curingas de Novo Éden não te dão pontos e Curingas de Lixo Atômico te dão 5 pontos negativos! Pois é, lixos atômicos não combinam com o paraíso! E por que batatas teríamos um desse em nossas cidades? Porque eles representam aquela ideia que “deixamos pra pensar mais tarde”, mas aí acaba o tempo e nunca revisitamos aquele conceito.


  • Nome do Local

Essa informação é totalmente flavor. Mas bastante gente pareceu gostar disso.

Tentamos pegar algumas referências do estilo arquitetônico representado e também fizemos homenagem a pessoas importantes desse estilo.

Na imagem, temos a “Semente de Hadrón”, uma árvore futurista totalmente tecnológica e não-natural, feita de néon e outras coisas inventadas pelo homem!


  • Conexões

Finalmente! Os “meio-círculos” que tanto falei aqui. Eles não são bem círculos, mas sim formas geométricas variadas. Existem 5 formas geométricas, além do Curinga.

As cartas podem ter de 1 a 4 conexões (cima, baixo, esquerda e direita). Na imagem de exemplo, a carta possui uma única conexão em sua parte inferior. Isso significa que ela só pode ser conectada com uma carta abaixo dela (e lembre-se, a carta precisa possuir o mesmo Estilo e/ou mesmo Tipo para essa conexão ser válida!)


É claro que nós não criamos todos esses elementos de uma vez, mas desde o início tínhamos o mesmo conceito para as cartas. Olhem só uma carta que criamos em nosso primeiro protótipo:

carta de cidade antiga.png
A imagem e o logo foram pegos no Google, só para testes.

Agora que vocês já sabem o que é um Pedaço de Cidade aqui no New Eden, vou explicar como é que você faz pra colocar isso na sua cidade!

Vamos lá:

Uma partida possui um número indeterminado de rodadas. Em cada rodada, existem sempre 2 fases: a Inspiração e a Projeção. Desde quando o jogo nasceu, a mecânica sempre foi a mesma nesse ponto. Ela funciona assim:

 

Fase de Inspiração (mecânica de sistema de pontos de ação)

Durante a fase de Inspiração, os jogadores estão buscando ideias para seu projeto.

Todas as cartas de Pedaço de Cidade formam um único baralho geral, usado por todos, e sempre 6 cartas são dispostas em uma fila de compras, chamada de “Consciente Coletivo”

Por que funciona assim?

Bom, vocês já devem ter tido alguma ideia muito louca e original e pensado “poxa, isso é muito criativo! Preciso por minha ideia em prática logo e…” De repente, você percebe que outra pessoa também teve essa mesma ideia e acabou sendo mais rápida que você!

A gente tentou colocar isso no jogo, fazendo com que as pessoas disputem pelas mesmas ideias, ou no caso, pelas mesmas cartas de Pedaço de Cidade.

As cartas não possuem um preço fixo, e isso vai variar de acordo com a posição delas nessa fila de compras. As 3 cartas mais à esquerda custam 3 pontos de inspiração (pois são ideias novas e pouco maturadas), as 2 seguintes custam medianos 2 pontos, e a carta mais à direita custa apenas 1 ponto (uma ideia meio velha, que quase não é mais ideia).

fila de compras.png
A fila possui 3 cartas guia, para te lembrar sempre do custo e da quantidade das cartas

Os jogadores, a cada fase de Inspiração, começam com 5 pontos para gastar.

Um de cada vez, eles podem comprar uma carta de Pedaço de Cidade, pagando seu custo. Sempre que uma carta é comprada, todas cartas à sua esquerda são arrastadas para a direita e uma nova é aberta.

A rodada continua, até que todos os jogadores tenham gasto todos os seus pontos de inspiração.

Existem formas de conseguir mais pontos e outras 2 opções para gastá-los, mas vamos focar somente no básico aqui, tudo bem?

Todas as cartas compradas pelos jogadores ficam amontoadas, abertas, próximas ao jogador que as comprou. Elas só são colocadas de fato no projeto na 2ª fase: a Projeção.

 

Fase de Projeção (mecânica de colocação de cartas)

Antes de mais nada, vou responder à pergunta que eu sei que você está fazendo: “Porque vocês separaram isso em duas fases?”

Vamos ver se você concorda comigo: Geralmente nós temos muitas ideias durante o chamado “brainstorm”, mas poucas são as ideias realmente úteis. Isso quer dizer que nem todas as cartas que compramos serão utilizadas – pelo menos não agora!

Na fase de Projeção, todos os jogadores conectam cartas em sua cidade. Essas cartas não podem mais ser movidas ou retiradas (exceto com bônus de Epifanias – mas não vou contar o jogo todo aqui!), então é preciso pensar muito bem antes de realizar essas conexões.

cidade montada.png
Repare na carta com árvore colorida, ela é o Curinga Novo Éden e se conecta com qualquer carta de qualquer lado!

A cada rodada, o jogador pode guardar uma ideia, ou seja, uma carta de Pedaço de Cidade que comprou para mais tarde. Isso é normal, todo mundo engaveta ideias. Às vezes, lá na frente, a gente acha uma serventia pra elas.

Todas as demais ideias que não foram utilizadas no projeto são descartadas e dificilmente serão recuperadas. Vida que segue.

Conforme as rodadas vão seguindo, as cidades dos jogadores vão nascendo. Elas crescem e tomam forma, mas não é tão fácil saber quem está ganhando. Sabe o porquê? Porque nem sempre quantidade significa qualidade. E cidades menores podem ser melhor projetadas do que cidades gigantes e sem o menor sentido.

Isso tudo tem muito a ver com as formas de pontuação, que será o tema do próximo capítulo!

Então na semana que vem eu volto com mais conteúdo pra vocês.

Enquanto isso, nos siga em nosso Facebook para ter acesso a mais novidades sobre eventos e o que estamos aprontando.

Um beijo de batata e até a próxima!

Anúncios

Publicado por

Potato Cat

Olá! Eu sou um gato. E uma batata. E também uma empresa de jogos. Leia um pouco do conteúdo desse blog e certamente você saberá bem mais sobre mim ;)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s