TOPCAT #1 – 3 Jogos que eu gostaria de ter criado

 

Dentre todos os filmes que assistimos, existem aqueles especiais nos quais gostaríamos de ter feito o papel do diretor. Dentre todas as batatas que comemos, tem sempre aquelas que são tão gostosas que gostaríamos de ter cultivado nós mesmos. São obras de arte pelas quais nutrimos um simples e puro respeito, senão uma certa admiração. E os jogos, ah, os jogos! Eles estão longe de serem exceções.

Recentemente, um dos grandes amigos do Gato Batata, que é também um ótimo produtor de conteúdo para a web, Danilo Pístola, do canal Jogo Na Mesa, lançou uma corrente muito divertida: 3 jogos que eu gostaria de ter criado. O nome é auto-explicativo e, quando eu e meus pais, Senhor e Senhora Meow, vimos do que se tratava, sabíamos que era questão de tempo até aderirmos à brincadeira.

E depois de sermos desafiados também, criamos a nossa lista! Cada um dos jogos foram listados por motivos diferentes, e isso será melhor explicado por Senhor e Senhora Meow alternadamente. Então, sem mais delongas, eis os 3 jogos que cada um de nós gostaríamos de ter criado:


3. Through the Ages (Sr. Meow)

TtA.png

Nós na Potato Cat sofremos de uma espécie de síndrome de megalomania. Cartas a Vapor, que nasceu da ideia de ser um card game porque “é mais fácil de transportar”, acabou com mais de 240 cartas só no jogo base. Nossos próximos projetos, com exceção do Café Express, que em breve falaremos mais a respeito, não fogem desse mania.

Through the Ages, então, se encaixa perfeitamente em nossos gostos. Porém, ele não só possui muitos componentes (muitos mesmo), como ele também é muito profundo em conteúdo. Não são só muitas cartas, são muitas cartas diferentes. Não retrata só a ascensão de um império, mas a ascensão de um império no decorrer das eras. Não tem só elementos historicamente corretos, mas MUITOS elementos desse tipo.

Eu gostaria de criado esse jogo justamente para poder ficar rodeado por toda essa imensidão de conteúdo e poder brincar com ela da forma que mais me agradasse. Poder explorar possibilidades dessa forma é simplesmente fascinante, nesse caso ainda mais devido à minha vontade de embasar nossos jogos sempre na literatura, filosofia e história.


3. 504 (Sra. Meow)

504 caixa.jpg

Foi também numa conversa com Danilo Pístola que fiquei sabendo desse jogo muito peculiar. E, ao pesquisar um pouquinho sobre ele, já percebi o quão ele é “a minha cara”. Aliás, isso responde parte do meu critério para escolher 3 jogos aqui: jogos que tenham uma sacada nova, inventiva, que usa e abusa de lógica e de variáveis.

504 não é um jogo, mas sim 504 jogos. Só de ouvir a premissa, já dá pra perceber que é uma ideia bem insana. O legal dele é que dá pra brincar muito com combinações de mecânicas e, mesmo que nem tudo ali tenha saído tão bom (afinal, algumas coisas acabaram ficando meio aleatórias), é certo que, em meio a tantas possibilidades, encontramos muitos acertos.

Fico imaginando como rolaram playtests desse jogo. Aliás, será que rolaram playtests suficientes? Acho que a experiência de criar um jogo tão diferente assim seria uma diversão e um desafio muito grande, além de um aprendizado enorme e enriquecedor para um game designer.


2. Steampunk Rally (Sr. Meow)

steampunk rally.png

Na mesma semana que a Roxley lançou a campanha de financiamento coletivo do Steampunk Rally, eu espalhei para a Senhora Meow e nosso caro amigo Estrepitos (que comprou o PnP mas nunca imprimimos).

Foi paixão à primeira vista, confesso. Mais uma vez, ali estava minha vontade de compartilhar conhecimento materializada em um jogo: simplesmente alguns dos maiores inventores da história retratados como personagens jogáveis e com suas próprias peculiaridades. Eu gostaria de ter tido essa ideia (e a força de vontade) antes, sabe? A sacada é tão boa que eu sei que me sentiria imensamente orgulhoso de ter meu nome atribuído a um conteúdo tão interessante.

Mas se fosse só por isso, com certeza esse jogo não entraria na lista. Afinal, todos nós temos ideias geniais de vez em quando. O grande divisor de águas, na verdade, é a execução.

Sou adepto de jogos onde você pode “criar sua própria invenção” desde que joguei The Incredible Machine no bom e velho Windows XP, um bom tempinho atrás, e desde então tenho procurado outros jogos que atendem bem esse propósito.

Fico imaginando como deve ser incrível criar algo que permite que os outros criem também. É criar um jogo, mas também fornecer uma ferramenta para imaginação. E só de me imaginar imaginando como a imaginação dos outros imaginaria cada uma das imaginárias geringonças desse jogo, já me deixa ansioso para voltar a trabalhar nos nossos próximos projetos.


2. Alquimistas (Sra. Meow)

Alquimistas.jpg

Seguindo o meu critério anterior, meu segundo jogo é o bonito e divertido Alquimistas. Tudo me agradou nele: os componentes, a temática, a arte… mas eu não quereria tê-lo criado por essas coisas. No entanto, há algo muito criativo nele, que me dá uma pequena inveja por não ter sido eu a criadora: as combinações dos elementos químicos.

Tanto em algumas aulas da faculdade de jogos que faço, quanto ao realizar o equilíbrio de um jogo que estou desenvolvendo, realizar combinações e estudar todas as possibilidades é uma tarefa cansativa, mas que muito me agrada. Em Alquimistas, enxergo uma forma muito mais curiosa e divertida de ficar “ligando pontos” para encontrar a solução exata. Esse jogo é ótimo para deixar o jogador confuso e, dependendo de sua paciência, até mesmo nervoso. Mas, mais uma vez, percebo o quão “minha cara” ele é.

Para agregar ainda mais a minha vontade de tê-lo criado, existe a ideia de um jogo híbrido. A utilização de um aplicativo (de forma correta e eficaz) me agradou muito no jogo, e eu acredito que aproveitar o avanço da tecnologia em coisas clássicas é uma combinação realmente muito boa. Tenho planos para criar jogos que utilizem aplicativos, mesmo sabendo da relutância de alguns jogadores quanto a essa “modernidade” dos boardgames, e vejo em Alquimistas uma ótima referência para tal.

 

1. Betrayal at House on the Hill (Sr. Meow)

betrayal_at_house_on_the_hill.jpg

Talvez isso seja um pouco surpreendente para os que não me conhecem, mas se a lista na verdade fosse “Um Jogo que Eu Gostaria de ter Criado”, esse seria o Betrayal at House on the Hill.

Entendo as críticas de que o jogo pode ser parado no começo e facilmente ficar desequilibrado no final, mas existe algo muito importante nesse jogo para mim que vai além desses pequenos detalhes.

Primeiro, é preciso entender que, apesar de game designer na Potato Cat e web developer pra poder comprar comida (ou vocês acham que dá pra viver de jogos facilmente nesse Brasilzão?), eu sou, antes disso tudo, escritor entusiasta: escrevo diversos poemas e alguns contos esporádicos dos mais variados temas e enredos. Ainda que goste de explorar essas variedades, o gênero textual que mais me agrada na hora de produzir é, sem dúvidas, o terror.

Agora, pensar na possibilidade de desenvolver um jogo que mistura contação de estórias de terror, com interpretação de personagens, modularidade e um sistema de equipes diferenciado… É como pensar num paraíso para a minha fértil imaginação. Isso sem mencionar que a narrativa é contada duas vezes, em pontos de vista diferentes que, se bem aproveitados pelos jogadores, pode trazer uma experiência simplesmente única.

Digo mais! Eu não só gostaria de ter criado o Betrayal at House on the Hill, como eu gostaria de ter criado expansões e livros adicionais só para saciar minha interminável sede por produzir conteúdo do gênero.


1. Tavarua (Sra. Meow)

tavarua.jpg

Se eu fosse seguir o mesmo critério dos outros 2 jogos, meu escolhido seria “Above and Below”, por sua curiosa capacidade de ser um livro-jogo com alocação de trabalhadores e conceitos morais de “fácil, porém errado” e “difícil, porém correto”. Maaaas… estou falando demais sobre o jogo errado!

Meu primeiro colocado é Tavarua, por um motivo bem diferente.

Eu queria tê-lo criado, justamente porque estava criando-o. Há pouquíssimo tempo estava começando a criar um jogo de surf, imaginando que seria um tema bem inovador, e de repente me deparei com esse jogo, que utilizava mecânicas muito bem pensadas e de uma forma que me agradou demais. Então eu pensei “puxa, o jogo que eu queria criar, prontinho, na minha frente, e tão bom!”

Tavarua consegue trazer perfeitamente a sensação de um campeonato de surf. A combinação do número do dado com a posição da onda, a movimentação e equilíbrio do jogador sobre sua prancha, os tipos de manobra que dá ou não pra realizar… Era tudo o que eu queria ter feito, mas ainda não havia conseguido elaborar.

Admito, senti uma pequena inveja. Esse jogo eu realmente queria que tivesse meu nome na caixa.

Mas é como alguns dizem: as ideias pairam no ar, feliz é aquele que a captou e trabalhou primeiro. Cabe a mim me contentar jogando-o, o que também não é nada mau.

—-

E esse foi o nosso Top 3! Se você gostou que tal compartilhar com o Gato quais jogos você gostaria de ter criado? Não precisa ser 3, nem ter textão, o importante é participar!

Aliás, muitos outros amigos da Potato Cat estão nessa brincadeira! Que tal dar uma olhadinha no Top 3 deles também?

(Vídeo)

Jogo na Mesa – https://www.youtube.com/watch?v=-ev5CS_K_kc

Boardado Games – https://www.youtube.com/watch?v=tQXTKDXtB8s

Professor Lúdico – https://www.youtube.com/watch?v=f-xdKG-tHYM

Tarja Preta e Na Mira – https://www.youtube.com/watch?v=IFigZQy9guY

Jogos com Leite – https://www.youtube.com/watch?v=gaeiA5pOvXw

BGG II – https://www.youtube.com/watch?v=mHC-0i6pMV8

Cronologia Boardgame – https://www.youtube.com/watch?v=eXbd_-YvtNs

Direto ao Ponto – https://www.youtube.com/watch?v=KMdXhEDLCCs

Casa Nerd LOL – https://www.youtube.com/watch?v=xbOPDPgCkpk

Chega de AP – https://www.youtube.com/watch?v=Ey072C8hBKI

(Texto)

Studio Teia de Jogos – http://www.studioteiadejogos.com.br/2017/02/3-jogos-que-eu-gostaria-de-ter-criado.html

Clube do Tabuleiro – http://ludopedia.com.br/topico/11975/top-3-jogos-que-eu-gostaria-de-ter-criado

E aí tem Jogo? – http://ludopedia.com.br/topico/11979/top-3-jogos-que-eu-gostaria-de-ter-inventado?id_post=98610

(Podcast)

Overlord Podcast – http://www.ludopedia.com.br/topico/12192/overlord-s03e01-3-jogos-que-gostariamos-de-ter-criados

Anúncios

Um comentário em “TOPCAT #1 – 3 Jogos que eu gostaria de ter criado”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s